8 de novembro de 2014

Tips on how to study - Dicas de como estudar

Texto em Português abaixo           
Scroll down for text in Portuguese


Dear readers!

Sorry for my absence. But discipline has been an issue here. We always need to find motivation to go ahead and study. But now I’m back to my Rosetta Stone project! I found more motivation and that’s why this is a motivational post. I hope this can be helpful for people who also have the same issue.
______


“YOU DID HAVE TIME! YOU DIDN’T HAVE PRIORITY!” This is what my classmates and I heard from an angry professor as a reprimand for not having done our assignment. She continued: “After all these years teaching, I’ve noticed a funny thing: the students who work all day, study at night and have the busiest lives are just the ones who show me more results than those who have all free day to study. The busiest people are the most productive people. Not having time is the kind of excuse that doesn’t fit these days anymore. Lack of time is something you can solve with organization. But lack of priority, lack of discipline and lack of motivation are hard things to solve.” I have to agree with my professor. I do have time to study and I think most people also do. But discipline and motivation are two things I have to constantly struggle to find.

So, what are some of the things I do to help me find discipline and motivation? The purpose of my post today is to share with you some of my “tricks”. I’ve put them in the order I consider more important.

Number 1:
CUT YOUR VICES FROM THE ROOT

Studying is an investment. We generally study because we want to have a better life (better job, more money, broaden our cultural horizons). You can’t change your life if you don’t change yourself. Start with your mind – think as a different person, think as the person you would like to be. You can’t improve your life if you let your old vices and habits take up your time and energy. First of all, ask yourself: WHAT BAD HABITS STOP ME FROM WALKING ON THE PATH TO MY SUCCESS? Now that you’ve named them, try cutting them by the root. You don’t need to be extremely radical, you can simply start by setting specific days for that. There are lots of things that are way more pleasant to our brain than sitting our butts on a chair and studying: going out with friends, going to parties, spending money, going on a date, fooling around on the internet, watching some sitcom or some stupid comedy sketches, or simply spending a long time looking at cuddly cats doing cat things in youtube… I used to spend most of my free time on the internet (that’s a major problem for many people I guess), so on some days I make this pact: TODAY I’M GOING TO BE TOTALLY DISCONNECTED – from my computer, cellphone and everyone.  I even deactivated my Facebook account for some months – that’s an exercise of detachment. Your friends and family should understand that. Once you free yourself from the more attractive things that stop you, you force yourself to go ahead.

Number 2:
WAKE UP EARLY! ORGANIZE YOUR LIFE… AND YOUR BEDROOM.
If your life is a mess, you won’t be able to concentrate on your studies. If you can’t undo all the mess in your life, at least undo the mess in your bedroom. Once I talked to a lady that has a very busy life. But she is very active and full of energy. She said: “What’s my secret? If you wake up early every day, do your bed, straighten up your room, take a shower and stay beautiful, there is nothing you can’t do! The rest of your day will be very productive. Wake up late, leave your bedroom a mess, stay ugly, don’t brush your teeth and the rest of your day will be as lousy and stinky as your bedroom and yourself.”

That makes some sense – at least it works for me. If I study at a clean and appropriate environment and if I take care of myself, I have more motivation to study.

Number 3:
TAKE CARE OF YOURSELF!
Mens sana in corpore sano (a sound mind in a sound body) – everybody knows that, but it seems that
few people are always able to follow that. So it’s never enough to emphasize: healthy food, good sleep and physical exercises can be essential for a good mind.

Number4:
SILENCE
If you live with other people and the house is generally noisy, that can be a problem. I need a lot of silence and concentration to study, especially when I read, and it’s not always convenient to go somewhere else. So I've bought some silicone earplugs. That helps. They are very cheap and can be bought at any pharmacy.


Number 5:
GET SOME CAFFEINE
I know some people don’t like it, but when I’m down and lazy, some caffeine can help me cheer up. I drink some strong coffee, some energetic drink (like Red Bull) or guaraná in powder (only one teaspoon in some water). Guaraná is rich in caffeine, and in Brazil we can buy it in any store that sells natural stuff (but I’m not talking about the famous  Brazilian softdrink foreigners love, I’m talking about the extract of the plant). But be careful, these things can intoxicate you if you take too much.

RITALIN: DOES IT WORK?
This is a drug you can only get with a doctor’s prescription, at least in Brazil. I’ve read about it and some people say these pills are magic in helping you concentrate and study (people who claim that are specially those who sell the drug illegally on the internet). So I’ve decided to take the risk and try. Is it worth? Do I recommend it? TOTALLY NOT. I’ve tried the pills for one week or so, it just made me feel strange, gave me insomnia and headaches, I felt terrible because I couldn’t sleep, I felt extremely tired and my head felt really heavy. Unfortunately there is no such thing as a magic pill that will make you a genius. If you have ever considered taking Ritalin, I’d tell you to forget it and do something better: GET REAL AND STUDY – there is no magic shortcut.

Number 5:
CHANGE ENVIROMENTS
I generally study in my bedroom, but sometimes I go to different places: my garden, a library, a park... When I walk my dog, I always take some lessons in audio with me. Maybe you won’t have energy to stay inside your bedroom studying for hours, but you will find more energy by simply standing up and going somewhere else.

Number 6:
STUDY MORE THAN ONE THING
Studying the same thing for hours can be tiring. But we can get more energy if we study something else and use different media (audio, video, books, etc.). For example: I study one or two hours with Rosetta Stone and then I watch some documentary to relax and practice my Italian listening and learn more about history at the same time, or then read a book, or listen to some audio lesson.

Number 7:
ESTABLISH GOALS
Studying by yourself can be hard because there is no deadline and no one to boss you and force you to go ahead. You need to be your own boss and establish a deadline to complete certain things. A friend told me to make a study plan and put it up on the wall where I can always see. I'm planning to do that. hahaha

Number 8:
DON’T JUST MAKE PLANS, START RIGHT NOW!
 
"The rule is, jam to-morrow and jam yesterday – but never jam to-day."
"It must come sometimes to 'jam to-day'," Alice objected.
"No, it can't," said the Queen. "It's jam every other day: to-day isn't any other day, you know."
"I don't understand you," said Alice. "It's dreadfully confusing!"
 (Lewis Carroll)

That reflects many of the plans we have in life: we end up never having jam. We can’t live inside our
imaginary plans. Don’t make up excuses in your mind for not starting doing things. This moment is the only real time – if you want to have contact with reality, if you want to have some jam, the time is now!

And you, dear readers, what do you do to help you study and achieve your goals? Do these tips work for you? Leave a comment and let me know!

                                                                 
                                                                 

DICAS DE COMO ESTUDAR

Caros leitores!

Desculpem-me pela ausência – faltou um pouco de disciplina por aqui. Motivação é algo que sempre devemos procurar para continuar estudando. Mas agora estou de volta e firme no meu projeto com o Rosetta Stone. Consegui encontrar mais motivação e por isso esta postagem “motivacional”. Espero que possa ser útil àqueles que também precisam de um empurrãozinho...
_____


“VOCÊS TIVERAM TEMPO, SIM! O QUE VOCÊS NÃO TIVERAM É PRI-O-RI-DA-DE!” Foi isso que meus colegas de classe e eu ouvimos de uma professora irritada depois de saber que poucos tinham feito o trabalho. Ela continuou: “Depois de todos esses anos ensinando, percebi algo intrigante: os alunos que trabalham o dia todo, estudam à noite e têm a vida mais ocupada são justamente os alunos que me mostram mais resultados do que aqueles que têm o dia todo livre para estudar. As pessoas mais ocupadas são as mais produtivas. Dizer que não teve tempo é o tipo de desculpa que não cabe mais nos dias de hoje. Falta de tempo é algo que você consegue resolver com organização. Mas falta de prioridade, falta de disciplina e falta de motivação são coisas mais difíceis de resolver.” Tenho que concordar com minha professora. Eu tenho tempo para estudar e acho que a maioria das pessoas também tem. Mas disciplina e motivação são duas coisas pelas quais eu tenho que lutar constantemente.

Então, quais são algumas das coisas que eu faço para me ajudar a encontrar disciplina e motivação? O objetivo da postagem de hoje é compartilhar com vocês algumas dicas que funcionam comigo. Coloquei-as na ordem que considero mais importante.

Número 1:
CORTE SEUS VÍCIOS PELA RAIZ
Estudar é um investimento. Estudamos porque geralmente queremos ter uma vida melhor (um melhor emprego, mais dinheiro, mais cultura). Você não poderá mudar sua vida se não mudar você mesmo. Comece com sua mente – pense como outra pessoa, pense como a pessoa que você gostaria de ser. Você não pode melhorar sua vida se você permitir que seus velhos vícios e hábitos consumam seu tempo e sua energia. Primeiro de tudo, pergunte-se: QUAIS SÃO OS HÁBITOS RUINS QUE ME IMPEDEM DE TRILHAR MEU CAMINHO PARA O SUCESSO? Agora que você os enumerou, corte-os pela raiz. Não precisa ser tão radical, você pode começar simplesmente estipulando dias para isso. Há várias coisas que são muito mais atrativas para nosso cérebro do que sentar a bunda numa cadeira e estudar:  sair com amigos, ir a festas, gastar dinheiro, namorar, perder tempo com besteiras na internet, assistir a seriados, ver vídeos de comédia estúpidos ou simplesmente ficar vendo gatinhos fofos fazendo gatices no youtube... Eu costumava passar a maior parte do meu tempo livre na internet (acredito que esse seja o maior problema para muitas pessoas), então escolho alguns dias para fazer este pacto: HOJE VOU FICAR TOTALMENTE DESCONECTADO – do meu computador, do celular e de todo mundo. Cheguei até a desativar por alguns meses minha conta do Facebook – é um exercício de desprendimento. Sua família e amigos devem entender isso. A partir do momento em que você se livra de coisas mais atrativas que te impedem de prosseguir, você não terá escolha e será obrigado a trabalhar.

Número 2:
ACORDE CEDO! ORGANIZE SUA VIDA... E SEU QUARTO.
Se sua vida é uma bagunça, vai ser difícil se concentrar nos estudos. Se você não pode desfazer a bagunça que é a sua vida, desfazer a bagunça do seu quarto já é um começo. Certa vez conversei com uma senhora que tem a vida muito ocupada. Mas ela é muito ativa e cheia de energia. Ela disse: “Qual o meu segredo? Se você acordar cedo todos os dias, arrumar a cama, ajeitar o quarto, tomar um banho e ficar bonita, não há nada que você não possa fazer! O restante do seu dia será produtivo. Acorde tarde, deixe o quarto uma bagunça, fique feio, não escove os dentes... e terá um dia feio e fedido como seu quarto e você mesmo.”

Isso faz algum sentido – pelo menos funciona comigo. Se eu estudo em um ambiente limpo e apropriado e cuido de mim e da minha aparência, tenho mais motivação para estudar.
Droga, me esqueci de ir pra
academia hoje!
São 8 anos seguidos agora.

Número 3:
CUIDE-SE!
Mens sana in corpore sano (mente sã em um corpo são) – todos sabemos disso, mas parece que poucos conseguem seguir a dica. Então nunca é demais enfatizar: alimentação saudável, dormir bem e exercícios físicos podem ser essenciais para uma mente bem preparada para os estudos.

Número 4:
SILÊNCIO
Se você mora com pessoas barulhentas ou se os cômodos não possuem um bom isolamento acústico, isso pode ser um problema. Eu mesmo preciso de muito silêncio e concentração para estudar, especialmente quando faço leituras, e nem sempre é conveniente procurar um lugar com menos barulho. Então eu comprei protetores auriculares de silicone – ajudam. São baratos e podem ser encontrados em farmácias.

Número 5:
TOME UM POUCO DE CAFEÍNA
Algumas pessoas não recomendariam, mas quando estou meio pra baixo e preguiçoso, um pouco de
cafeína me ajuda. Tome um café forte, um energético (tipo Red Bull) ou guaraná em pó (somente uma colher de chá com um pouco de água). Guaraná é rico em cafeína e pode ser comprado em qualquer loja que vende produtos naturais – o pó a granel é bem barato, as cápsulas são mais caras. Mas cuidado, muita cafeína pode intoxicar o corpo.

RITALINA FUNCIONA?
Essa é uma droga vendida nas farmácias somente com receita médica. Algumas pessoas dizem que são pílulas mágicas para ajudar na concentração e nos estudos (geralmente pessoas que vendem ilegalmente na internet). Então decidi arriscar e experimentar. Vale a pena? Posso recomendar? TOTALMENTE NÃO. Experimentei por uma semana, a reação: mudou meu humor, me senti estranho, tive insônia e dores de cabeça, me senti horrível porque não conseguia dormir, fiquei muito cansado e com a cabeça pesada. Infelizmente não existem pílulas mágicas que nos transforme em gênios. Se você já considerou tomar Ritalina, eu recomendaria que você esqueça e faça algo melhor: CAIA NA REAL E ESTUDE! Não existe um atalho mágico.

Número 5:
TROQUE DE AMBIENTE
Geralmente estudo no meu quarto, mas às vezes vou a lugares diferentes: meu jardim, uma biblioteca, um parque... Quando saio para caminhar com minha cachorra, sempre levo lições de áudio comigo. Talvez você não tenha energia nem paciência para ficar trancado num quarto estudando por horas, mas vai encontrar mais energia simplesmente ao levantar-se e ir para outro lugar.

Número 6:
STUDE MAIS DE UMA COISA
Estudar a mesma coisa por horas pode ser cansativo. Mas podemos conseguir mais energia se estudamos algo diferente ou usamos diferentes meios (áudio, vídeo, livros, etc.). Por exemplo: estudo por uma ou duas horas com o Rosetta Stone e depois assisto a algum documentário para relaxar, praticar meu ouvido com o italiano a aprender um pouco de história ao mesmo tempo, ou então leio algum livro, ou escuto alguma lição em áudio.

Número 7:
Quando alguém me pergunta sobre meu futuro:
Eu realmente aparento ser um cara com um plano?
ESTABELEÇA METAS
Estudar sozinho pode ser complicado porque não temos prazos ou alguém para nos cobrar e forçar a seguir em frente. Você precisa ser seu próprio chefe e estabelecer um prazo para completar algum plano. Uma amiga me deu a sugestão de fazer um plano de estudos e colar na parede onde eu possa sempre ver. Estou planejando fazer isso. hahaha


Número 8:
NÃO VIVA DE PLANOS, COMECE JÁ!

É sábado!!! Nem tente me incomodar.
<<A regra é: geleia amanhã e geleia ontem - mas nunca geleia hoje.
- Mesmo assim, algum dia tem de ser "geleia hoje", Majestade! - objetou Alice.
- Não, não pode ser assim - disse a Rainha. - A geleia é servida sempre dia sim, dia não: e hoje é dia não. Entendeu?
- Não, não compreendi - respondeu Alice. - Isso é terrivelmente confuso!>>
 (Lewis Carroll)


Isso reflete muitos dos planos que temos na vida: acabamos nunca tendo geleia. Não podemos viver nos nossos planos imaginários. Não crie desculpas na sua mente para não começar a fazer as coisas. O agora é o único tempo real – se você quer ter contato com a realidade, se você quer um pouco de geleia, o tempo é agora!

E vocês, caros leitores, o que fazem para ajudar-lhes a estudar e alcançar seus objetivos? Essas dicas funcionam com vocês? Deixem seus comentários!

15 de julho de 2014

Level 3 German - Alemão

Texto em Português mais abaixo   
Scroll down for text in Portuguese

Dear readers!
I have finished Rosetta Stone German level 3 and here is my study report you were already asking me for.
This review is especially important for two reasons:

1 – Let’s say you want to study Portuguese, Latin, Arabic, Greek, Polish or Japanese with Rosetta Stone – well, the courses for these languages, as for several other languages, are available only up to level 3. So what will you learn? What can Rosetta Stone do for us after finishing this specific level?

2 – When I finished the Italian course, I demonstrated it is possible to achieve significant results if the language you are studying is linguistically close to your background. But what can Rosetta Stone do for us when we study more difficult languages?

Well, let’s try to discover…


HOW LONG TO FINISH ALL 3 LEVELS?

25 hours – Level 1 (standard curriculum)
17 hours – Level 2 (standard curriculum)
30 hours – Level 3 (extended curriculum)
04 hours – review (placement mode of all 3 levels)
11 hours – Audio Companion

TOTAL: 87 hours of study. I studied around one level per month.


TEST RESULTS

Goethe Institute – (listening and reading only) *
Level A1 = 90%
Listening - 14 from 15 points.
Reading - 13 from 15 points.

Level A2 = 70%
Listening – 9 from 15 points.
Reading – 12 from 15 points.

*I didn’t do the writing and speaking parts because there is no automatic correction.


MY SPEAKING SKILL

After finishing level 3, I can say I speak German a little. In general terms, I’m able to use the language in very simple social interactions.
Here are some of the main situations in which I can use my knowledge of German:
- Greetings;
- Introducing oneself and getting to know a new person.
- Asking for directions;
- Getting a taxi;
- Talking to clerks at the airport, bus station, subway;
- Going shopping;
- Eating out;
- Checking into a hotel;
- Asking for help;
- Talking to a doctor;
- Saying what I need or what I want;
- Expressing opinions and describing things in a very simple way.

This knowledge would be enough, for example, to use the language as a tourist in Germany, or to interact a little with someone who speaks German. But I still can’t really have a conversation in the language. I can’t express my opinion in a more complex way, I can’t defend my ideas in a discussion, I wouldn’t even be able to understand a discussion.


MY COMPREHENSION

If you go back to my report of when I finished Italian Level 3, you will see that Rosetta Stone helped me to be able to watch the news and documentaries in Italian and even read simple texts – I have done this as a habit since then. However, none of these things is possible with German yet. I have tried watching videos and reading texts in the language, but I feel it is pointless. In fact, I can understand lots of isolated words - German is not a totally strange language for me as it was before. In every sentence I read or listen to, I can recognize a number of words I learned in the course, but I still cannot put these words together to have a satisfactory understanding.


NUMBER OF WORDS RECOGNIZED IN A TEXT

I have randomly selected an article from Euronews to verify how many words I could recognize from it.

       words that would be recognized without any previous study (proper names and cognates)
       words recognized after finishing level 3 (words I learned in the course)

In einem europäischen Forschungsprojekt im italienischen Turin versuchen Wissenschaftlerdie Geräusche einer Maschine genau zu untersuchen. Die Idee dahinter istdie Vibrationen aufzuzeichnen, um eventuelle Ausfälle vorherzusagen und zu verhindern.
Der Physiker Alessandro Zanella: “Die Vibrationen stammen von Rotationen und beweglichen Teilen in den Motoren. Jede Maschine macht Geräusche und aufgrund derer können wir eine Diagnose zum Zustand der Maschine stellen. Wenn bestimmte Geräusche erzeugt werden, können diese auf mechanische Fehler hinweisen.”
Ein Kugellager, das kurz davor stehtkaputt zu gehen, erzeugt eine VibrationDas bedeutetdass der Fehler entdeckt werden kann, bevor die Maschine zusammenbricht. Dies geschieht mit Hilfe von VibrationssensorenDas Diagramm von Vibrationen kann wie ein EKG gelesen werdenKomplexe Algorithmen geben detaillierte Auskunft über den Zustand der MaschineAber es werden nicht alle Daten gesendet, nur solche, die entscheidend für die Analyse sind. Dafür sorgt ein kleines Gerät, erklärt Computer-Experte Mihai Marin-Perianu. “Dieses analysiert die Daten in Echtzeit. Dafür nutzt es anspruchsvolle Verfahren. Zeit und Frequenz spielen dabei eine wichtige RolleEs zieht aus dem Datenstrom die Merkmale heraus, die auf Fehler hinweisen können, und sendet diese dann an die ZentraleWir werden uns in Zukunft immer mehr auf diese Verfahrensweise verlassenum in Fabriken jedes Teil einer Maschine virtuell beobachten zu könnenDas wird in einem beispiellosen Umfang geschehen, aber zu erschwinglichen Kosten.”
Weniger Defekte machen eine Maschine effizienter und sorgen nicht nur für eine bessere Qualität der Geräte, sondern auch für eine höhere Sicherheit.
Computer-Experte Paul Havinga: “Vibrationen gibt es überall, in Flugzeugen, Hubschraubern, Maschinen und Zügen. Vibrationen geben einen Einblick in die Qualität der jeweiligen Maschinein welchem Zustand sie sich befindet und ob sie voraussichtlich eine Panne haben wirdIn den kommenden Jahren soll die Technologie zur Überwachung von Vibrationen auch in ZügenFlugzeugen und Fabriken weltweit eingesetzt werden.” 

303 words in the total constitute this text
52 words (in blue), or 17% of the total, would be recognized without any previous study of the language, such as proper names and cognates.
160 words (in red) were recognized after finishing RS level 3.
212 words, or 70% of all words, were recognized in the total

I was able to recognize 70% of the words from this text after finishing RS level 3. This is surprising – I was not expecting that much. But in fact, this can give a false impression of what comprehension really is. Being able to recognize 70% of the words from a text does not mean I am able to put them together to understand 70% of the message of the text and interpret it well. Also because a great number of the words that constitute any text are function words, such as articles, prepositions, pronouns and auxiliary verbs, that is, words we are supposed to learn in a basic language course. But I still cannot understand many content words that are essential to interpret the text. And if you take a look at the text again, you will see that most of the content words I recognized are cognates. So in my subjective assessment, I feel I cannot read the news in German and have a satisfactory comprehension.


MY DIFFICULTIES

The biggest difficulty in learning German is how weird the words are. In the beginning, it was very hard to pronounce and also to get used to the writing system. I didn’t have this feeling with the other languages I have studied because they are closer to my cultural background. In this sense, German is a more distant language, both in terms of being more linguistically distant from the languages I know, and also in terms of not being so present in my everyday life (I hardly ever listen to German).

After I started getting used to the words, the writing and the pronunciation, the main difficulty that persisted is with the comprehension. Sometimes I had to read or listen to the same sentence a number of times to be able to understand it. But, as I take this as an experiment, I really did not consult any dictionary. If I don’t understand something, I just go ahead – the impressive thing is that, as I go further in the course, when I am least expecting I have a sudden comprehension of most things I had left behind.

I did not experience this difficulty in comprehension when I studied Italian with RS – I was able to understand sentences almost instantaneously. For me, as a Portuguese speaker, Italian is pretty easy to understand, but difficult to write and speak correctly.

Another difficulty is with articles, prepositions, plurals and word endings. These things seem to be very illogical and arbitrary. I could in fact learn how to use part of these elements intuitively, although it is very hard. But I like this adventure of letting my intuition work, and I will only look for explanations after I finish level 5.


AUDIO COMPANION

After I finished the three levels in the computer, I went on to the Audio Companion (AC) to serve as a review. There are 11 hours of listening material from level 1 to level 3. I felt that listening to everything really strengthened my knowledge and it made a big difference in my speaking skill.

In the computer, we learn by means of sounds, images and writing. But with the AC we just practice with sounds. That requires a very different mental process – we develop a different kind of perception of the language. With the software, we always associate sounds to images; but with just the sounds, we are forced to bring those images into our minds. Another good thing is that the vocabulary sections of each lesson in the AC bring lots of words from previous lessons as a review. This really reinforced my ability to remember words more easily and speak better.


CONCLUSION

After finishing Rosetta Stone German Level 3 in almost 90 hours of study, I obtained 90% in level A1 and 70% in level A2 – that corresponds to a basic knowledge. At this point, the course provides enough content to enable the learner to deal with very simple social interactions. I would be able to use this knowledge in most common situations as a tourist in a foreign country, to introduce myself, to start a simple conversation with someone or to describe things in a simple way. I was able to recognize 70% of the words from a text. This may be impressive, but we have to consider that most of these words are function words and not content words that would permit a better understanding. I recognize a number of isolated words in every sentence I read or listen to – but not to a point to have a significant understanding.

________
That's all folks. Now I'll study hard because I want to return soon to bring my study report after I finish level 5 - and I'll also make a video to show you guys a little of my speaking skill so you will know what you can expect from the course. Just type your email address in the box on the top corner to follow the blog and receive the lastest updates!  [If you use Chrome and can't see features like the box to subscribe and the traffic counter, try another browser.]

See you soon! Let's study!


                                                       
                                                       

Caros leitores!
Terminei o nível 3 do Rosetta Stone Alemão e finalmente aqui vai meu relatório de estudos que vocês já estavam pedindo.
Este relatório é especialmente importante por duas razões:

1 – Digamos que você queira aprender Latim, Grego, Japonês, Polonês ou Árabe com o Rosetta Stone - bem, os cursos para essas línguas, assim como para várias outras, só vão até o nível 3. Então o que você vai aprender? O que o curso pode fazer por nós após o término desse nível específico?

2 – Ao término do curso de Italiano, eu demonstrei que é possível obter resultados significativos com o curso se o idioma que você estiver estudando for linguisticamente próximo à sua língua materna ou às línguas que você domina. Mas o que o Rosetta Stone pode fazer por nós quando estudamos línguas mais difíceis?

Bem, vamos descobrir...


QUANTO TEMPO PARA TERMINAR OS 3 NÍVEIS?

25 horas – Nível 1 (standard curriculum)
17 horas – Nível 2 (standard curriculum)
30 horas – Nível 3 (extended curriculum)
04 horas – revisão (placement para todos os 3 níveis)
11 horas – Audio Companion

TOTAL: 87 horas de estudo. Fiz em média um nível por mês.


RESULTADOS DOS TESTES

Goethe Institute – (somente leitura e compreensão autitiva)*
Nível A1 = 90%
Compreensão auditiva – 14 de 15 pontos
Leitura – 13 de 15 pontos

Nível A2 = 70%
Compreensão auditiva – 9 de 15 pontos
Leitura – 12 de 15 pontos

* Não fiz as partes de escrita e fala porque não dispõem de correção automática.


MINHA HABILIDADE DE FALAR

Depois de terminar o nível 3, posso dizer que falo um pouco de Alemão. Em termos gerais, consigo usar a língua em interações sociais bem simples.
Eis algumas das situações nas quais eu consigo usar meu conhecimento de Alemão:
- Cumprimentos;
- Apresentar-se e conhecer pessoas;
- Pedir informações;
- Pegar um táxi;
- Conversar com funcionários no aeroporto, rodoviária, metrô;
- Fazer compras;
- Comer fora;
- Fazer check-in num hotel;
- Pedir ajuda;
- Conversar com um médico;
- Dizer o que preciso ou o que quero;
- Expressar opiniões e descrever coisas de uma forma bem simples.

Este conhecimento seria suficiente, por exemplo, para usar a língua como um turista na Alemanha, ou para interagir um pouco com alguém que fala Alemão. Mas ainda não consigo realmente ter uma conversa na língua. Não consigo expressar minha opinião de forma mais complexa, não consigo defender minhas ideias numa discussão, não poderia nem ao menos entender uma discussão.


MINHA COMPREENSÃO

Se você rever o relatório de quando eu terminei o nível 3 de Italiano, verá como o Rosetta Stone me ajudou a assistir às notícias e a documentários em Italiano e mesmo a ler textos simples – eu tomei isso como hábito desde então. No entanto, nada disso é possível com o Alemão. Tentei assistir à vídeos e ler textos na língua, mas não parece ser muito proveitoso por enquanto. De fato, consigo entender muitas palavras isoladas – o Alemão não é uma língua totalmente estranha para mim como era antes. Em cada frase que eu leio ou escuto, consigo reconhecer várias palavras que eu aprendi no curso, mas ainda não consigo juntar essas palavras para ter um entendimento satisfatório.


NÚMERO DE PALAVRAS RECONHECIDAS EM UM TEXTO

Selecionei aleatoriamente um artigo da Euronews para verificar quantas palavras eu consigo reconhecer.

      palavras que eu reconheceria sem qualquer estudo prévio (nomes próprios e cognatos)
      palavras reconhecidas depois de terminar o nível 3 (palavras que aprendi no curso)

In einem europäischen Forschungsprojekt im italienischen Turin versuchen Wissenschaftlerdie Geräusche einer Maschine genau zu untersuchen. Die Idee dahinter istdie Vibrationen aufzuzeichnen, um eventuelle Ausfälle vorherzusagen und zu verhindern.
Der Physiker Alessandro Zanella: “Die Vibrationen stammen von Rotationen und beweglichen Teilen in den Motoren. Jede Maschine macht Geräusche und aufgrund derer können wir eine Diagnose zum Zustand der Maschine stellen. Wenn bestimmte Geräusche erzeugt werden, können diese auf mechanische Fehler hinweisen.”
Ein Kugellager, das kurz davor stehtkaputt zu gehen, erzeugt eine VibrationDas bedeutetdass der Fehler entdeckt werden kann, bevor die Maschine zusammenbricht. Dies geschieht mit Hilfe von VibrationssensorenDas Diagramm von Vibrationen kann wie ein EKG gelesen werdenKomplexe Algorithmen geben detaillierte Auskunft über den Zustand der MaschineAber es werden nicht alle Daten gesendet, nur solche, die entscheidend für die Analyse sind. Dafür sorgt ein kleines Gerät, erklärt Computer-Experte Mihai Marin-Perianu. “Dieses analysiert die Daten in Echtzeit. Dafür nutzt es anspruchsvolle Verfahren. Zeit und Frequenz spielen dabei eine wichtige RolleEs zieht aus dem Datenstrom die Merkmale heraus, die auf Fehler hinweisen können, und sendet diese dann an die ZentraleWir werden uns in Zukunft immer mehr auf diese Verfahrensweise verlassenum in Fabriken jedes Teil einer Maschine virtuell beobachten zu könnenDas wird in einem beispiellosen Umfang geschehen, aber zu erschwinglichen Kosten.”
Weniger Defekte machen eine Maschine effizienter und sorgen nicht nur für eine bessere Qualität der Geräte, sondern auch für eine höhere Sicherheit.
Computer-Experte Paul Havinga: “Vibrationen gibt es überall, in Flugzeugen, Hubschraubern, Maschinen und Zügen. Vibrationen geben einen Einblick in die Qualität der jeweiligen Maschinein welchem Zustand sie sich befindet und ob sie voraussichtlich eine Panne haben wirdIn den kommenden Jahren soll die Technologie zur Überwachung von Vibrationen auch in ZügenFlugzeugen und Fabriken weltweit eingesetzt werden.” 

303 palavras no total compõem o texto
52 palavras (em azul), ou 17% do total, seriam reconhecidas sem qualquer estudo prévio da língua, como nomes próprios e cognatos.
160 palavras (em vermelho) foram reconhecidas após o término do nível 3.
212 palavras, ou 70% de todas as palavras, foram reconhecidas no total

Eu consegui reconhecer 70% das palavras deste texto depois de terminar o RS nível 3. É surpreendente – eu não esperava tanto. No entanto, isso pode dar uma falsa impressão do que de fato é entender um texto. Ser capaz de reconhecer 70% das palavras de um texto não significa ser capaz de entender 70% da mensagem de um texto ou interpretá-lo bem. Também porque um grande número das palavras que constituem qualquer texto são palavras funcionais, como artigos, preposições, pronomes e verbos auxiliares, isto é, palavras que geralmente aprendemos em um curso básico. Mas ainda não consigo entender muitas palavras de conteúdo que são essenciais para a interpretação do texto. E se você observar o texto novamente, verá que a maioria das palavras de conteúdo que eu pude reconhecer são cognatos. Então em uma avaliação subjetiva, eu sinto que não tenho capacidade de ler notícias em Alemão e ter uma compreensão satisfatória.


MINHAS DIFICULDADES

A maior dificuldade em aprender alemão é como as palavras são estranhas. No começo, era mais difícil pronunciar e também se acostumar com o sistema de escrita. Eu não tive essa impressão com as outras línguas que estudei porque elas são mais próximas da minha bagagem cultural. Nesse sentido, o Alemão é uma língua mais distante, tanto em termos de ser linguisticamente distante das línguas que eu conheço, e também em termos de não estar presente no meu dia-a-dia (raramente ouço Alemão).

Após ter me acostumado mais com as palavras, a escrita e a pronúncia, a dificuldade que ainda persiste é com a compreensão. Algumas vezes preciso ler e ouvir a mesma frase várias vezes para conseguir entender. Mas, como tomo isto como um experimento, não consultei dicionário algum. Se não entendo algo, sigo em frente – o impressionante é que, à medida que prossigo, quando menos estou esperando tenho uma compreensão súbita de algo que havia deixado para trás.

Não experimentei essa dificuldade de compreensão quando estudei Italiano com o RS – eu conseguia entender as frases quase instantaneamente. Para mim, falante de Português, é relativamente fácil entender Italiano, mas é difícil escrever e falar corretamente.

Outra dificuldade a se ressaltar é com os artigos, preposições, formação do plural e terminações das palavras. São coisas que parecem ser bastante ilógicas e arbitrárias. De fato consegui aprender como usar parte desses elementos intuitivamente, embora pareça difícil. Mas me agrada essa aventura de colocar minha intuição para trabalhar, e só vou procurar por explicações depois que eu terminar o nível 5.


AUDIO COMPANION


Depois que terminei os três níveis no computador, eu prossegui para o Audio Companion (AC) para servir como revisão. São 11 horas de gravação do nível 1 ao 3. Senti que escutar tudo realmente reforçou meu conhecimento e fez uma grande diferença na minha habilidade de falar.

No computador, aprendemos por meio de sons, imagens e escrita. Mas como o AC praticamos apenas com os sons. Isso envolve um processo mental diferente – desenvolvemos um outro tipo de percepção da língua. Com o software, sempre associamos sons a imagens; mas apenas com os sons, somos forçados a trazer essas imagens à mente. Outro ponto positivo do AC é que as seções de vocabulário de cada lição trazem várias palavras de lições anteriores como uma revisão. Isso ajudou a fixar melhor as palavras e intensificou minha habilidade de falar.


CONCLUSÃO

Depois de terminar o Rosetta Stone Alemão nível 3 em quase 90 horas de estudo, obtive 90% no nível A1 e 70% no nível A2 – isso corresponde a um conhecimento básico. Nesse ponto, o curso fornece conteúdo suficiente que permite ao aluno lidar com interações sociais bem simples. Eu conseguiria usar este conhecimento na maioria das situações comuns como um turista num país estrangeiro, apresentar-me, iniciar uma conversa simples com alguém ou descrever coisas de forma simples. Consegui identificar 70% das palavras de um texto. Isso pode parecer impressionante, mas temos que considerar que a maioria dessas palavras são palavras funcionais e não palavras de conteúdo que permitem uma melhor compreensão. Consigo reconhecer várias palavras isoladas em cada frase que leio ou escuto – mas não a ponto de permitir um entendimento significativo.

_________
Por hora, isso é tudo, pessoal! Agora preciso estudar bastante porque quero retornar em breve para lhes trazer o relatório de estudos do nível 5 - e também vou fazer um vídeo mostrando um pouco da minha habilidade de falar... assim vocês podem ter uma ideia do que esperar ao estudar o curso completo. Se vocês estão curiosos e querem dicas, coloquem seus endereços de e-mail na caixa no canto superior para seguir o blog e receber as últimas atualizações! [Se usam o Chrome e não conseguem ver recursos como a caixa para assinar o blog e a contagem de tráfego, tentem outro navegador.]

Até breve! E bons estudos!